Publicações

01/07/2009 Ações propositivas para enfrentamento da crise

O governo do Rio Grande do Sul não descuida em nenhum momento da responsabilidade de guiar o Estado por um caminho seguro perante a crise mundial. Trabalha firme para garantir a presença das empresas gaúchas no comércio internacional, seja através da exportação dos produtos demandados pelo mercado mundial, como também, na importação de insumos, matérias-primas e produtos necessários para alavancar o desenvolvimento da economia gaúcha e o futuro de nossos trabalhadores. Inúmeros contatos no exterior têm sido promovidos com participações em feiras de negócios e na busca de investidores para negócios futuros no parque industrial gaúcho. O governo do Estado foi pioneiro ao implantar, no Centro Administrativo do Estado, a Sala do Exportador. Numa parceria com a Bm&fBovespa, a Sala do Exportador funciona como instrumento de auxílio ao empresário para iniciar, através da dinâmica do passo-a-passo, a busca de parceiros internacionais para o seu negócio. A instalação de uma Agência de Promoção das Exportações da APEX-Brasil junto ao Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, traz igual entusiasmo neste sentido.
 
Para apoiar a governadora nas prospecções de mercado no exterior está sendo desenvolvido um trabalho de firmar posição e ampliar a importância que a Secretaria do Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais ocupa no cenário rio-grandense e mundial. Através de movimentos propositivos que o momento econômico exige, foi lançado o programa estruturante Mais Trabalho, Mais Futuro. Nele, uma série de ações visa contemplar o enfrentamento desta realidade, fortalecendo setores como da tecnologia da informação e comunicação, redes de convergência e inovação dos setores tradicionais da produção gaúcha. Além destes, o pólo tecnológico estadual e setores portadores de futuro também integram as metas do estruturante Mais Trabalho, Mais Futuro que compreende ainda, áreas da biomedicina, de alimentos, florestas, madeira e o pólo naval, este, com vistas ao prosseguimento da construção de plataformas marítimas e o dique seco, visando garantir um salto econômico em uma vasta e tradicional região do Rio Grande do Sul. Na parte da inovação de setores tradicionais, ações de apoio às micro e pequenas empresas e aos Arranjos Produtivos Locais. Portanto, estão sendo reforçadas as áreas em que a demanda no mercado merece uma pronta resposta, como nos setores calçadista, metalmecânico, moveleiro, por exemplo, para que o Rio Grande do Sul saia fortalecido perante o cenário econômico atual.
Fonte: Revista Viamão